Idiomas

  • ISSN (online): 1678-4774
  • ISSN (printed): 1676-2444

ANO 2017 - VOLUME 53 - NÚMERO 5

EDITORIAL

High-sensitivity troponins: a major breakthrough

Carlos Eduardo S. Ferreira

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):292

MEDICINA LABORATORIAL

Avaliação do VITEK 2 compact e VITEK MS na identificação de estafilococos coagulase-negativos isolados de hemoculturas

Camila Gabriela da Silva; Nina R. Tobouti; Cássia Maria Zoccoli; Alessandro Conrado O. Silveira

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):293-297

RESUMO

INTRODUÇÃO: Estafilococos coagulase-negativos (ECN) estão entre os principais colonizantes de pele e mucosas, atuando como comensais. Apesar de apresentarem baixa virulência, podem causar infecções graves, principalmente quando são utilizados dispositivos invasivos, como cateteres. Como têm grande capacidade de formar biofilme, conseguem atingir rapidamente a corrente sanguínea, o que pode levar à septicemia.
OBJETIVO: O objetivo principal foi comparar a identificação dos ECN entre duas metodologias automatizadas: fenotípica (VITEK® 2 Compact, bioMérieux) e espectrometria de massa (MALDI-TOF VITEK® MS, bioMérieux).
MATERIAIS E MÉTODO: Foram analisados 133 isolados de ECN provenientes de amostras de hemoculturas, no período de setembro de 2015 a maio de 2016.
RESULTADOS: Todos os 133 isolados foram identificados no VITEK® 2 Compact como ECN, enquanto o VITEK MS não identificou sete amostras; houve incerteza entre três espécies em um isolado. Os dois equipamentos tiveram concordância de 92,8% (117/126), dos quais foram 56 Staphylococcus epidermidis, 34 Staphylococcus hominis ssp. hominis, 15 Staphylococcus haemolyticus, 10 Staphylococcus capitis, um Staphylococcus cohnii ssp. urealyticus e um Staphylococcus sciuri. Houve discordância em uma identificação de S. lugdunensis e S. aureus.
CONCLUSÃO: Por meio da análise entre os dois equipamentos e com base em artigos científicos que comparam os métodos envolvidos neste estudo, foi possível observar a grande similaridade bioquímica entre as espécies de ECN, sendo esta a principal limitação do método fenotípico. O equipamento VITEK MS apresentou alta discriminação entre as espécies quando comparado com o método gold standard, além da facilidade e da agilidade da técnica.

Palavras-chave: espectrometria de massas; Staphylococcus; infecções estafilocócicas.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: In most clinical laboratories, coagulase-negative staphylococci (CNS) are classified through their biochemical characteristics using traditional and/or automated phenotypic methods. However, identification by phenotypic method is a great challenge despite the improvement in identification by automated systems in recent years.
OBJECTIVE: The main objective was to compare the identification of CNS between two automated methods: phenotypic (VITEK® 2 Compact, bioMérieux) and mass spectrometry (MALDI-TOF VITEK® MS, bioMérieux).
MATERIALS AND METHOD: 133 CNS isolates from whole blood samples from September 2015 to May 2016 were analyzed.
RESULTS: All the 133 isolates were identified by VITEK® 2 Compact as CNS, whereas VITEK MS did not identify seven, and there was uncertainty among three species in one isolate. The two devices had a concordance of 92.8% (117/126) of which: 56 Staphylococcus epidermidis, 34 Staphylococcus hominis ssp. hominis, 15 Staphylococcus haemolyticus, 10 Staphylococcus capitis, one Staphylococcus cohnii ssp. urealyticus and one Staphylococcus sciuri. There was disagreement in identification of S. lugdunensis and S. aureus.
CONCLUSION: Through the analysis between the two devices and based on scientific articles comparing the methods involved in the study, it was possible to observe the great biochemical similarity among the coagulase-negative staphylococci species, this being the main limitation of the phenotypic method. The VITEK MS equipment showed high discrimination between species when compared to the gold standard method, besides being rapid and easy to use.

Keywords: mass spectrometry; Staphylococcus; staphylococcal infections.

 

Frequência alélica HLA de classes I e II em doadores falecidos de órgãos sólidos no Espírito Santo, Brasil

Fabiana Regina Barbosa; Karla O. Freitas; Rafaela C. Silva; Sarah P. C. Pires; Rodrigo Pratte-Santos

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):298-304

RESUMO

INTRODUÇÃO: A população brasileira possui grande mistura racial, tendo sido originada, principalmente, de caucasoides de origem europeia, africanos e índios. As especificidades do sistema de antígenos leucocitários humanos (HLA) variam entre os diferentes grupos populacionais e étnicos, uma vez que demonstram maior similaridade entre populações com origem comum.
OBJETIVO: Determinar a estrutura genética dos alelos HLA de classes I e II em doadores falecidos de órgãos sólidos no Estado do Espírito Santo, Brasil, no período de 2011 a 2015.
MÉTODOS: O presente estudo foi realizado em 208 indivíduos falecidos doadores de órgãos sólidos, diagnosticados com morte encefálica, no período de 2011 a 2015, no estado do Espírito Santo, Brasil. A tipificação HLA foi realizada pela técnica de reação em cadeia da polimerase-iniciador específico único (PCR-SSP) utilizando kits para teste de tipagem de ácido desoxirribonucleico (DNA) por SSP genérico de classes I e II, loci A, B e DR.
RESULTADOS: O perfil dos doadores falecidos encontrados no Espírito Santo, Brasil, no período de 2011 a 2015, foi de homens pardos, com faixa etária acima de 40 anos. Os alelos HLA mais frequentes foram A2 (24,28%), B44 (10,34%) e DR15 (14,18%); e os menos frequentes, A43 (0,24%), B46, B47, B70, B75 e B78 (0,24%) e DR9 (1,68%), DR12 e DR18 (2,16%).
CONCLUSÃO: O presente estudo contribuiu com significativas informações acerca da frequência dos antígenos HLA em indivíduos falecidos doadores de órgãos que poderão otimizar o processo de transplantes no país.

Palavras-chave: doadores de tecidos; alelos; antígenos HLA.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: The Brazilian population has a great racial mix, originating mainly from Europeans, Africans and Indians. Human leukocyte antigens (HLA) specificities vary among different population and ethnic groups, since they demonstrate greater similarity in populations of common origin.
OBJECTIVE: To determine the genetic structure of HLA classes I and II alleles in deceased donors of solid organs in the state of Espírito Santo, Brazil, from 2011 to 2015.
METHODS: The present study covered 208 brain-dead donors of solid organs, from 2011 to 2015, in the state of Espírito Santo, Brazil. HLA typing was performed by polymerase chain reaction-sequence specific oligonucleotide probes (PCR-SSP) using kits for generic classes I and II SSP DNA typing test, A, B and DR loci.
RESULTS: The profile of deceased donors found in Espírito Santo, Brazil, in the period from 2011 to 2015, was brown men, aged over 40 years. The most frequent HLA alleles were A2 (24.28%), B44 (10.34%) and DR15 (14.18%); and the least frequent, A43 (0.24%), B46, B47, B70, B75 and B78 (0.24%) and DR9 (1.68%), DR12 and DR18 (2.16%).
CONCLUSION: The present study contributed with significant information about the frequency of HLA antigens in deceased donors of solid organs in the Brazilian population that will contribute to optimize the transplantation process in the country.

Keywords: tissue donors; alleles; HLA antigens.

 

Imunorreatividade de fragmentos da troponina I (cTnI) e desenvolvimento de ensaios de alta sensibilidade para o diagnóstico associado do infarto agudo do miocárdio

Raíssa M. Teixeira; Ricardo David Couto

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):305-308

RESUMO

Entre as doenças cardiovasculares (DCV), o infarto agudo do miocárdio (IAM) atualmente é considerado a causa mais comum de morte e incapacidade em todo o mundo. Vários testes laboratoriais vêm sendo desenvolvidos para a detecção de lesões cardíacas, entre eles, as troponinas, consideradas marcador (biomarcador sugestivo) padrão-ouro de lesão miocárdica. A alta especificidade da troponina para a necrose dos cardiomiócitos está relacionada com a sequência peptídica única presente na troponina do músculo cardíaco. Em função disso, estudos estão voltados para o desenvolvimento de conjuntos diagnósticos de alta sensibilidade para a determinação das troponinas I (hs-cTnI). Esses conjuntos diagnósticos surgem com o objetivo de detectar concentrações séricas cada vez menores desses biomarcadores a partir da detecção de fragmentos peptídicos que são liberados após modificações bioquímicas estruturais. O presente artigo discorre sobre as diferenças de imunorreatividade dos fragmentos de troponina no desenvolvimento de nossos testes para a determinação da cTnI, a exemplo dos testes de alta sensibilidade, que surgem com a proposta de garantir maior eficiência no diagnóstico associado do IAM.

Palavras-chave: infarto do miocárdio; troponina I; mapeamento de epítopos.

 

ABSTRACT

Among the cardiovascular diseases (CVD), acute myocardial infarction (AMI) is currently considered the most common cause of death and disability worldwide. Several laboratory tests have been developed for the detection of cardiac injury, including troponins that are considered the gold standard marker (surrogate biomarker) of myocardial injury. The high specificity of troponin for cardiomyocyte necrosis is related to a single unique peptide sequence present in troponin at the cardiac muscle. As a result, studies are currently focused on the development of troponin (hs-cTnI) determination tests with high diagnostic sensitivity value. These diagnostic tests aim to detect increasingly lower serum concentrations of cTnI biomarkers, from the detection of peptide fragments that are released after structural biochemical changes. This article discusses the differences between troponin fragments immunoreactivity to the development of cTnI determination tests, such as the high-sensitivity tests, which arise with the proposal of guaranteeing greater efficiency in the AMI associated diagnosis.

Keywords: acute coronary syndrome; troponin I; immunodominant epitopes.

 

Repercussões clínicas e laboratoriais em paciente com hemoglobinopatia SD-Punjab: relato de caso

Raí N. Nogueira; Cristina Maria B. T. Leite; Ludmila X. Souza; Ana Angélica L. Barbosa

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):309-312

RESUMO

Reportamos o primeiro caso de hemoglobinopatia SD-Punjab, uma forma rara da doença falciforme, no estado da Bahia. A detecção ocorreu pelo exame para identificação de hemoglobinas (Hb) variantes com técnica de cromatografia líquida de alta resolução. Através do estudo molecular do polimorfismo no cromossomo com gene da betaglobina S, verificou-se a presença do haplótipo Bantu. Segundo estudos, existe forte associação de prevalência do haplótipo Bantu e níveis reduzidos da Hb fetal e da Hb D-Punjab como fator de estímulo à polimerização da S, o que contribui para os distúrbios hematológicos da doença e a lesão de órgãos, como cálculos biliares e necrose asséptica de cabeça de fêmur.

Palavras-chave: anemia falciforme; hemoglobinopatias; haplótipos; eletroforese das proteínas sanguíneas.

 

ABSTRACT

We report the first case of hemoglobin SD-Punjab disease, a rare form of sickle-cell disease, in the state of Bahia. Detection was possible by a test for the identification of hemoglobin (Hb) variants with the high-resolution liquid chromatography technique. By means of the molecular study of chromosomal polymorphism with beta-globin S gene, the Bantu haplotype was observed. According to studies, there is strong association between the prevalence of Bantu haplotype and reduced levels of fetal Hb and Hb D-Punjab as a stimulating factor for S polymerization, what contributes to the hematological disorders of the disease and organ damage, as gallstones and aseptic necrosis of the femoral head.

Keywords: sickle-cell anemia; hemoglobinopathies; haplotypes; blood protein electrophoresis.

 

PATOLOGIA

Lesões intraepiteliais escamosas cervicais graus 1 e 2: valor de uma classificação morfológica alternativa e do estudo imuno-histoquímico com p16 na predição do desfecho clínico

Rafael C. Salim; Tatiana M. Lima; Thais Heinke; Karla C. K. Prigenzi; Neila Maria G. Speck; Gustavo R. A. Focchi

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):313-319

RESUMO

INTRODUÇÃO: A reproducibilidade diagnóstica e a determinação de fatores prognósticos em neoplasias intraepiteliais cervicais graus 1 e 2 ainda são problemas relevantes na prática diária da histopatologia ginecológica.
OBJETIVO: Correlacionar o valor da reclassificação morfológica e da imunoexpressão do marcador p16 em neoplasias intraepiteliais cervicais graus 1 e 2 com o desfecho clínico.
MATERIAIS E MÉTODOS: Incluídas 66 pacientes (34 com neoplasia intraepitelial cervical grau 1 e 32 com grau 2); realizou-se estudo imuno-histoquímico com p16 e reclassificação segundo o Consenso Lower Anogenital Squamous Terminology (LAST) e a proposta alternativa de Herfs e Crum; desfecho desfavorável foi definido como diagnóstico histológico subsequente de neoplasia intraepitelial cervical grau 3 ou carcinoma de células escamosas invasivo.
RESULTADOS: Observamos performance superior da classificação morfológica alternativa (p = 0,002) para determinação de desfecho desfavorável. Também detectamos performance superior do marcador p16 na mesma determinação (p = 0,002).
CONCLUSÃO: A utilização de uma classificação morfológica alternativa é promissora. No âmbito da utilização dos anticorpos imuno-histoquímicos como biomarcadores, o p16 apresentou boa sensibilidade e valor preditivo negativo na determinação dos casos em que o desfecho foi desfavorável.

Palavras-chave: neoplasia intraepitelial cervical; inibidor p16 de quinases dependentes de ciclina; evolução clínica.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Diagnostic reproducibility and determination of prognostic factors in cervical intraepithelial neoplasias grades 1 and 2 are still relevant problems in the daily practice of gynecological histopathology.
OBJECTIVE: To correlate the value of morphological reclassification and of p16 immunoexpression in cervical intraepithelial neoplasias grades 1 and 2 with clinical outcome.
MATERIALS AND METHODS: Sixty-six patients were included (34 with cervical intraepithelial neoplasia grade 1, and 32 with grade 2); an immunohistochemical study with p16 and reclassification according to the Lower Anogenital Squamous Terminology (LAST) Consensus and by the alternative proposal of Herfs and Crum were done; unfavorable outcome was defined as a subsequent histologic diagnosis of cervical intraepithelial neoplasia grade 3 or invasive squamous cell carcinoma.
RESULTS: We observed superior performance of the alternative morphological classification (p = 0.002) to determine unfavorable outcome. We also detected superior performance of p16 in the same determination (p = 0.002).
CONCLUSION: The use of an alternative morphological classification is promising; in the context of the use of immunohistochemical antibodies as biomarkers, p16 showed good sensitivity and negative predictive value in the determination of cases in which the outcome was unfavorable.

Keywords: cervical intraepithelial neoplasia; cyclin-dependent kinase inhibitor p16; outcome assessment (health care).

 

Angiossarcoma cardíaco primário: relato de caso de uma rara neoplasia

Gabriela C. Abreu; Maria Clara R. Gontijo; Maria Clara L. Chaves; Júlia W. Drumond; Bárbara C. A. Marino; Rodrigo C. Bernardes; Alexandre Cobucci; Cynthia K. Berenstein

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):320-324

RESUMO

Este artigo ilustra um caso de angiossarcoma primário cardíaco acompanhado de uma revisão dessa rara neoplasia. Relatamos o caso de um paciente do sexo masculino, 44 anos, com suspeita de mixoma em átrio direito. O tumor, ao exame anatomopatológico, mostrou tratar-se de um angiossarcoma cardíaco. No pós-operatório, o paciente cursou com tamponamento cardíaco, necessitando ser reoperado e evoluindo a óbito. Angiossarcomas são tumores malignos caracterizados por curso clínico devastador. Apresentam predileção pelo átrio direito, e ocorrem entre a terceira e a quinta década de vida, com preponderância no sexo masculino. Devido a sua raridade, o tratamento ideal ainda não está bem estabelecido.

Palavras-chave: hemangiossarcoma; neoplasias cardíacas; átrios do coração.

 

ABSTRACT

This article reports a case of primary cardiac angiosarcoma and a brief review is provided. A 44-year-old male patient was suspected of having myxoma in the right atrium. The tumor, on pathology examination, was shown to be a cardiac angiosarcoma. In the postoperative period, the patient developed a cardiac tamponade, requiring reoperation and evolving to death. Angiosarcomas are malignant tumors characterized by a devastating clinical course. They have a predilection for the right atrium, occurring between the third and fifth decades of life, with a male preponderance. Because of its rarity, the ideal treatment has not been identified yet.

Keywords: hemangiosarcoma; heart neoplasms; heart atria.

 

Carcinoma adenoescamoso do pâncreas, uma entidade rara: relato de quatro casos

Rui Jorge G. Almeida; Rui Pedro C. Oliveira; Helder D. Moreira; Bruno Filipe M. Fernandes; Pedro Gil B. Oliveira; Maria Augusta G. Cipriano

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):325-329

RESUMO

O carcinoma adenoescamoso pancreático (ASCP) é uma variante rara do adenocarcinoma ductal (PDAC). Entre 2004 e 2016, foram ressecados quatro casos de ASCP em nossa instituição, com registro dos dados clínicos e patológicos. Os pacientes eram homens entre 55 e 80 anos. Três tumores eram cefálicos; e um, caudal, com dimensões variáveis entre 2,3 e 5,5 cm. Todos tinham invasão neurovascular e metástases linfáticas; dois, margens cirúrgicas retroperitoneais positivas. A sobrevida global (SG) pós-cirurgia foi de três semanas a 42 meses. O prognóstico do ASCP é sombrio, com SG aparentemente mais relacionada com o status das margens cirúrgicas do que com outro fator clinicopatológico.

Palavras-chave: pâncreas; carcinoma adenoescamoso.

 

ABSTRACT

Adenosquamous carcinoma of the pancreas (ASCP) is a rare variant of the pancreatic ductal adenocarcinoma (PDAC). Between 2004 and 2016, four cases of ASCP were resected at our institution; clinicopathological data were collected. All of our patients were males, aged 55-80 years. Three cases were cephalic tumors; and one, pancreatic tail tumor, measuring between 2.3 and 5.5 cm. All had neurovascular invasion and lymphatic metastasis. Two had retroperitoneal positive margins. The overall survival (OS) after surgery was three weeks-42 months. Prognosis of ASCP is dark and OS appears to be more closely related to surgical margins status than to other clinicopathological factors.

Keywords: pancreas; adenosquamous carcinoma.

 

Apresentação incomum de actinomicose em língua: relato de caso

Ondina Karla M. S. Rocha; Glória Maria de França; Patrícia T. Oliveira; Janaína L. M. Santos; Márcia Cristina C. Miguel; Éricka Janine D. Silveira

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):330-333

RESUMO

A actinomicose é uma infecção rara causada pela bactéria do gênero Actinomyces, que pode acometer tanto tecidos moles como ósseo; pode estar associada a traumas ou infecções prévias. O presente trabalho tem o objetivo de relatar um caso clínico de actinomicose na borda lateral de língua originária de um trauma prévio com o uso de substância esclerosante para tratamento de malformação vascular. A paciente foi submetida ao debridamento de tecido necrótico na região, e o material, encaminhado para análise histopatológica, confirmando o diagnóstico de actinomicose. Após dois anos de acompanhamento, não se detectou recidiva.

Palavras-chave: actinomicose; língua; infecção.

 

ABSTRACT

Actinomycosis is a rare infection caused by bacteria of Actinomyces genus that can affect both soft and bone tissues; it may be associated with trauma or previous infections. This paper aims to report a clinical case of actinomycosis on the lateral border of the tongue originating from a previous trauma with the use of sclerosing substance for treatment of vascular malformation. The patient underwent debridement of necrotic tissue in the region, and the material was sent for histopathological analysis, which confirmed the diagnosis of actinomycosis. After two years of follow-up, no recurrence was detected.

Keywords: actinomycosis; tongue; infection.

 

Glomangiopericitoma: tipo incomum de tumor nasossinusal

Nedio Atolini Jr.; Luis Fernando Melotti; Tatiany T. Yamamoto; Vanessa Lunelli; Gustavo P. L. Lang; Daniela A. Silveira; Maurício G. Silva

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):334-337

RESUMO

Glomangiopericitomas são tumores de partes moles que apresentam diferenciação mioide perivascular distinta na região sinunasal e correspondem a menos de 0,5% das neoplasias dessa região. Relatamos o caso de um paciente de 39 anos de idade com tumoração intranasal de proliferação celular de padrão hemangiopericitoide e imuno-histoquímico compatível com glomangiopericitoma. Optou-se por tratamento cirúrgico externo e endonasal, com embolização pré-operatória. Os glomangiopericitomas são incomuns e caracterizam-se pela recorrência frequente, sendo raras as metástases. Geralmente indolores, apresentam-se com obstrução nasal unilateral e/ou epistaxe, com massa de aspecto polipoide, avermelhada e friável. O diagnóstico pode ser confirmado pelo exame histopatológico e imuno-histoquímico.

Palavras-chave: hemangiopericitoma; neoplasias nasais; neoplasias dos seios paranasais; otorrinolaringopatias.

 

ABSTRACT

Glomangiopericytomas are soft tissue tumors showing distinct perivascular myoid differentiation in sinonasal region that correspond to less than 0.5% of neoplasms in this region. We report the case of a 39-year-old patient with intranasal tumor of hemangiopericytoid pattern and immunohistochemistry compatible with glomangiopericytoma. We opted for external and endonasal surgical treatment, with preoperative embolization. Glomangiopericytomas are uncommon and are characterized by frequent recurrence, but metastases are rare. Generally painless, they present with unilateral nasal obstruction and/or epistaxis, with a polypoid, reddish and friable mass, and the diagnosis can be confirmed by histopathological and immunohistochemical examination.

Keywords: hemangiopericytoma; nose neoplasms; paranasal sinus neoplasms; otorhinolaryngologic diseases.

 

O papel das mutações IDH1/2 na patogênese dos glioblastomas secundários

Eduardo Cambruzzi

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):338-344

RESUMO

Astrocitoma difuso e glioblastoma (GBM) constituem um grupo de neoplasias astrocíticas infiltrantes difusas, que mais comumente surgem nos hemisférios cerebrais de adultos. A prevalência da transformação maligna de astrocitoma difuso para astrocitoma anaplásico e GBM varia de 40% a 75% dos casos em diferentes séries. Distintas anormalidades genéticas estão relacionadas com a progressão neoplásica; e as células propensas ao desenvolvimento de neoplasia glial incluem células progenitoras, células-tronco ou células diferenciadas. O GBM primário surge tipicamente de novo, sem história prévia de uma lesão precursora de baixo grau; o GBM secundário evolui a partir de um astrocitoma de baixo grau, é predominante em pacientes mais jovens e com frequência exibe mutações de isocitrato desidrogenase (IDH) 1 e 2. Os gliomas com mutação de IDH1/2 têm sido associados a melhor prognóstico quando comparados a gliomas com IDH de tipo selvagem. As mutações de IDH são raras nos GBM primários e em gliomas que surgem em crianças. Evidências sugerem que as mutações de IDH conduzem a um fenótipo de hipermetilação e representam eventos iniciais na transformação tumoral do sistema nervoso central (SNC) devido à produção do oncometabólito 2-hidroxiglutarato. As mutações de IDH1 precedem mutações de tumor protein p53 (TP53) em cerca de 63% dos casos de astrocitomas difusos e resultam em perda nos cromossomos 10q e 19q. O GBM primário também está associado a alterações na proliferação celular [amplificação/mutação de epidermal growth fator receptor (EGFR), amplificações de platelet derived growth factor receptor alpha (PDGFRA) e mutações de neurofibromin 1 (NF1)], índice apoptótico anormal [deleção homozigótica cyclin dependent kinase inhibitor 2A (CDKN2A) e mutação TP53] e progressão aberrante na fase G1/S do ciclo celular.

Palavras-chave: astrocitoma; glioblastoma; isocitrato desidrogenase; patologia; prognóstico; cérebro.

 

ABSTRACT

Diffuse astrocytoma and glioblastoma (GBM) constitute a group of diffusely infiltrating astrocytic neoplasms, which more commonly arise in cerebral hemispheres of adults. The prevalence of malignant transformation of diffuse astrocytoma to anaplastic astrocytoma and GBM varies from 40% to 75% of cases in different series. Distinct genetic abnormalities are related to neoplastic progression, and the cells prone to glial neoplasm development include progenitor cells, stem cells, or differentiated cells. Primary GBM arises typically de novo, with no previous history of a lower-grade precursor lesion. Secondary GBM evolves from low-grade astrocytoma, is predominant in younger patients, and frequently exhibits isocitrate dehydrogenase (IDH) 1 and 2 mutations. IDH1/2 mutated gliomas have been associated with a better prognosis when compared to IDH-wildtype gliomas. IDH mutations are rare in primary GBM and gliomas arising in children. Evidence suggests that IDH mutations lead to a hypermethylation phenotype and represent early events in tumoral transformation of the central nervous system (CNS) due to the production of the oncometabolite 2-hydroxyglutarate. IDH1 mutations precede tumor protein p53 (TP53) mutations in around 63% of cases of diffuse astrocytomas, and result in loss in 10q and 19q chromosomes. Primary GBMs are also associated with alterations in cell proliferation [epidermal growth fator receptor (EGFR) amplification/mutation, platelet derived growth factor receptor alpha (PDGFRA) amplifications, neurofibromin 1 (NF1) mutations], abnormal apoptotic index [cyclin dependent kinase inhibitor 2A (CDKN2A) homozygous deletion and TP53 mutation], and aberrant progression in G1/S phase of the cell cycle.

Keywords: astrocytoma; glioblastoma; isocitrate dehydrogenase; pathology; prognosis; brain.

 

Indexadores