Idiomas

  • ISSN (online): 1678-4774
  • ISSN (printed): 1676-2444

Artigos Relacionados

3 resultado(s) para: proteínas de ligação ao retinol; obesidade; resistência à insulina; glucose

Associação entre o polimorfismo Ile105Val do gene da glutationa S-transferase P1 (GSTP1) em pacientes obesos e com sobrepeso acima de 60 anos

Eduardo O. Chielle; Paola C. Fortuna; Jorlana S. Maziero

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2016;52(4):211-216

RESUMO

INTRODUÇÃO: A obesidade está relacionada com a possibilidade de numerosos danos metabólicos associados ao estresse oxidativo. As enzimas da família glutationa S-transferase (GST) têm como função promover a detoxificação, entretanto, polimorfismos no gene da glutationa S-transferase P1 (GSTP1) geram alelos menos eficientes, bem como diminuição da sua quantidade e atividade.
OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo analisar a frequência dos alelos (A e G) e dos genótipos do polimorfismo Ile105Val do gene GSTP1, além de sua associação à obesidade em idosos.
MATERIAIS E MÉTODOS: Tratou-se de um estudo transversal, o qual envolveu 232 indivíduos com idades entre 60 e 98 anos, de ambos os sexos, oriundos da região Sul do Brasil. Os voluntários foram caracterizados de acordo com o índice de massa corporal (IMC) em três grupos: peso normal (n = 52), sobrepreso (n = 133) e obesos (n = 47). A antropometria foi avaliada, e a técnica de reação em cadeia da polimerase-polimorfismo no comprimento de fragmentos de restrição (PCR-RFLP) foi usada para análise genética a partir de amostras de sangue periférico.
RESULTADOS: A frequência alélica no grupo de idosos obesos foi de 37,2% para o alelo A e 62,8% para o G, e a frequência genotípica observada, de AA 8,5%, AG 57,4% e GG 34,1%. Tanto o alelo G quanto os genótipos GG e AG foram significativamente maiores no grupo obeso quando comparados com os dos demais grupos (p < 0,001).
CONCLUSÃO: Observou-se maior prevalência do alelo G no grupo de idosos obesos, responsável pela codificação de uma enzima anormal e consequente diminuição das defesas antioxidantes, que contribuem para o processo inflamatório e a obesidade em idosos.

Palavras-chave: obesidade; estresse oxidativo; glutationa transferase; polimorfismo genético.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Obesity is related to the possibility of a number of metabolic damage associated with oxidative stress. The enzymes of the glutathione S-transferase (GST) family have the function of promoting detoxification; however, polymorphisms in the glutathione S-transferase P1 (GSTP1) gene generate less efficient alleles as well as a decrease in their amount and activity.
OBJECTIVE: This study aimed to analyze the frequency of the alleles (A and G) and the genotypes of the GSTP1 Ile105Val gene polymorphism, and its association with obesity in the elderly.
MATERIALS AND METHODS: This was a cross-sectional study involving 232 subjects aged between 60-98 years, of both sexes, originating from southern Brazil. The volunteers were categorized according to the body mass index (BMI) in three groups: normal weight (n = 52), overweight (n = 133), and obese (n = 47). Anthropometry was evaluated and the polymerase chain reaction-restriction fragment length polymorphism (PCR-RFLP) method was used for genetic analysis, from peripheral blood samples.
RESULTS: The allelic frequency in the elderly obese group was 37.2% for A and 62.8% for G allele, and the genotypic frequency observed was AA 8.5%, AG 57.4% and GG 34.1%. Both the G allele as the GG and AG genotypes were significantly higher in the obese group compared to the other groups (p < 0.001).
CONCLUSION: A higher prevalence of the G allele was observed in elderly obese group, responsible for encoding an abnormal enzyme and consequent reduction of antioxidant defenses, which contribute to inflammation process and obesity in the elderly.

Palavras-chave: obesidade; estresse oxidativo; glutationa transferase; polimorfismo genético.

 

Influência da obesidade sobre a concentração sérica da proteína ligadora do retinol 4 (RBP4) em adultos jovens

Eduardo O. Chielle; Aline Feltez; Eliandra M. Rossi

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(2):81-86

RESUMO

INTRODUÇÃO: Na obesidade, ocorre inflamação crônica de baixo grau, na qual os macrófagos desempenham um papel importante na manutenção desta inflamação por produzirem sustâncias pré-inflamatórias e inflamatórias, como a proteína transportadora de retinol (RBP4), que funciona como gatilho para a inflamação do tecido adiposo, aliando-se a comorbidades da obesidade.
OBJETIVO: Este estudo avaliou a concentração sérica de RBP4 e biomarcadores de resistência insulínica (RI) em pacientes adultos jovens, com peso normal, sobrepeso e obesos.
MÉTODOS: Foi conduzido um estudo transversal que envolveu 149 indivíduos: 54 saudáveis (32 mulheres e 22 homens), 27 com sobrepeso (17 mulheres e 10 homens) e 68 obesos (41 mulheres e 27 homens). As medidas antropométricas e as concentrações de RBP4, insulina, HbA1c e glicose foram determinadas, além dos cálculos do modelo de avaliação da homeostase da resistência à insulina (HOMA-IR) e da sensibilidade insulínica (SI).
RESULTADOS: Pacientes obesos e com sobrepeso mostraram níveis significativos maiores de glicose, HbA1c, insulina e HOMA-IR (p > 0,0001) e diminuição da SI (p > 0,0001), quando comparados com o grupo de peso normal. Observou-se um aumento de RBP4 proporcional ao aumento do índice de massa corporal (IMC); o grupo obeso apresentou níveis significativamente superiores (p < 0,05).
CONCLUSÃO: Este estudo sugere que a RBP4 pode ter papel-chave no desenvolvimento da inflamação e da RI em obesos jovens, uma vez que pode promover perturbações significativas no metabolismo da insulina, além de contribuir para o desenvolvimento de comorbidades relacionadas com obesidade. Este parâmetro pode representar uma esperança na identificação de novos marcadores inflamatórios e de RI que auxiliem o diagnóstico e o acompanhamento de pacientes com sobrepeso e obesos.

Palavras-chave: proteínas de ligação ao retinol; obesidade; resistência à insulina; glucose.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Obesity is a chronic low-grade inflammation, in which macrophages play an important role in the maintenance of inflammation by producing pre-inflammatory and inflammatory substances such as retinol-binding protein 4 (RBP4), which acts as a trigger for adipose tissue inflammation and associated with obesity co-morbidities.
OBJECTIVE: This study evaluated the serum concentration of RBP4 and biomarkers of insulin resistance (IR) in young adult patients with normal weight, overweight and obese.
METHODS: A cross sectional study was conducted involving 149 subjects: 54 healthy individuals (32 women and 22 men), 27 overweight (17 women and 10 men) and 68 obese (41 women and 27 men). The anthropometric measures and the concentrations of RBP4, insulin, HbA1c and glucose were determined, in addition to the calculations for homeostatic model assessment of insulin resistance (HOMA-IR) and insulin sensitivity (IS).
RESULTS: overweight and obese patients showed significantly higher levels of glucose, HbA1c, insulin, and HOMA-IR (p < 0.0001), and decreased IS (p > 0.0001) when compared with the normal weight group. There was an increase in RBP4 proportional to the increase in body mass index (BMI); the obese group showed significantly higher levels (p < 0.05).
CONCLUSION: This study suggests that RBP4 may play a key role in the development of inflammation and IR in young obese individuals, as it may promote significant disturbances in insulin metabolism and may contribute to the development of obesity-related co-morbidities. This parameter can represent a hope in the identification of new inflammatory and IR markers to assist in the diagnosis and follow-up of overweight and obese patients.

Palavras-chave: proteínas de ligação ao retinol; obesidade; resistência à insulina; glucose.

 

Biomarcadores oxidativos, inflamatórios e cardiometabólicos de relevância clínica em pacientes com síndrome metabólica

Eduardo O. Chielle; Fagner Gens; Eliandra M. Rossi

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2018;54(4):213-219

RESUMO

INTRODUÇÃO: A obesidade caracteriza-se pela deposição excessiva de gordura no tecido adiposo e está associada ao desenvolvimento de danos patológicos em vários processos metabólicos que estão relacionados com o estresse oxidativo e a inflamação.
OBJETIVO: Avaliar os níveis de adiponectina, marcadores inflamatórios e marcadores oxidativos, com o objetivo de determinar um perfil de biomarcadores em adultos que influencie o risco metabólico de desenvolver síndrome metabólica (SMet).
MÉTODOS: Os grupos estudados incluíram 84 adultos (48 sem SMet e 36 com SMet). Parâmetros gerais e bioquímicos foram determinados. Níveis de adiponectina, marcadores inflamatórios [proteína C reativa ultrassensível (PCR-us), interleucina 6 (IL-6), adenosina deaminase (ADA), dipeptidil peptidase-IV (DPP-IV)] e marcadores oxidativos [thiobarbituric acid reactive species (TBARS), sulfhydryl (SH) grupos, total antioxidante capacity ferric (FRAP) e vitamina C] também foram medidos.
RESULTADOS: O grupo com SMet apresentou aumento significativo de insulina, triglicerídeos, colesterol, colesterol da llipoproteína de baixa densidade (LDL-C), transaminase glutâmica pirúvica (TGP) e ácido úrico, bem como gamaglutamiltransferase (GGT), transaminase glutâmica oxalacética (TGO), hemoglobina glicada (HbA1C), homeostasis model assessment of insulin resistance (HOMA-IR), glicose, SH e TBARS, e redução significativa de sensibilidade insulínica (SI), lipoproteína de alta densidade (HDL-C) e vitamina C.
CONCLUSÃO: A combinação de IL-6, PCR-us, ADA, DPP-IV e o aumento de TBARS, com a redução de vitamina C, grupos SH e adiponectina promovem inflamação e comprometem a sensibilidade à insulina, apresentando assim um papel ativo na patogênese da SMet. Esses achados são significativos porque podem auxiliar no monitoramento de alterações clínicas, na prevenção de futuros eventos cardiometabólicos em indivíduos com SMet e na identificação de marcadores inflamatórios e oxidativos que auxiliam no monitoramento e na prevenção da SMet.

Palavras-chave: resistência à insulina; obesidade; diabetes mellitus.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Obesity is characterized by excessive deposition of fat in adipose tissue and is associated with the development of pathological damage in several metabolic processes that are associated with oxidative stress and inflammation.
OBJECTIVE: To evaluate the levels of adiponectin, inflammatory markers and oxidative markers, with the objective of determining a biomarkers profile in adults that influences the metabolic risk of developing the metabolic syndrome (MetS).
METHODS: The groups studied included 84 adults (48 Without MetS and 36 With MetS). General and biochemical parameters were determined. Adiponectin levels, inflammatory markers [C-reactive protein (CRP)], interleukin 6 (IL-6), adenosine deaminase (ADA), dipeptidyl peptidase-IV (DPP-IV) and oxidative markers [thiobarbituric acid reactive substances (TBARS), sulfhydryl groups (SH), total ferric antioxidant power (FRAP) and vitamin C] were also measured.
RESULTS: The MetS group presented a significant increase in insulin, triglycerides, cholesterol, low-density lipoprotein cholesterol (LDL-C), glutamic-pyruvic transaminase (GPT) and uric acid, as well as gamma-glutamyl transferase (GGT), glutamic-oxaloacetic transaminase (GOT), and vitamin C.
CONCLUSION: The combination of IL-6, ultra-sensitive C-reactive protein (us-CRP), ADA, DPP-IV and the increase of TBARS, with the reduction of vitamin C, SH groups and adiponectin, promote inflammation and compromise insulin sensitivity, thus presenting an active role in the pathogenesis of MetS. These findings are significant because they may assist in monitoring clinical changes, in the prevention of future cardiometabolic events in individuals with MetS, and in the identification of inflammatory and oxidative markers that assist in the monitoring and prevention of MetS.

Palavras-chave: resistência à insulina; obesidade; diabetes mellitus.

 

Indexadores