Idiomas

  • ISSN (online): 1678-4774
  • ISSN (printed): 1676-2444

Artigos Relacionados

7 resultado(s) para: neoplasias do colo do útero; prevenção de câncer de colo uterino; técnicas de diagnóstico molecular; esfregaço vaginal; testes de DNA para HPV

Detecção do HPV em carcinoma espinocelular de assoalho de boca por amplificação da PCR

Luciana E. Simonato; Saygo Tomo; José Fernando Garcia; Luiz Alberto Veronese; Glauco I. Miyahara

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2016;52(1):43-49

RESUMO

INTRODUÇÃO: Estudos realizados durante os últimos anos permitem considerar a infecção pelopapilomavírus humano (HPV) um fator etiológico para o câncer cervical. Apesar da íntima relação desse vírus com as regiões genitais, outras localizações anatômicas têm sido associadas a tal infecção, inclusive as regiões de cabeça e pescoço.
OBJETIVOS: Investigar a prevalência da infecção pelo HPV em 35 amostras parafinadas de carcinoma espinocelular de assoalho de boca, utilizando a amplificação da reação em cadeia dapolimerase (PCR) como método de detecção do ácido desoxirribonucleico (DNA) viral, bem como correlacionar aspectos demográficos, clínicos e morfológicos com o prognóstico da doença.
MATERIAIS E MÉTODOS: Todas as amostras foram inicialmente amplificadas com o primerpara detecção do gene da β-globina humana. As que tiveram amplificação positiva para o gene da β-globina foram então submetidas à detecção do DNA viral com os primers GP5 e GP6.
RESULTADOS: Apenas 30 amostras foram amplificadas para o gene β-globin. Nenhuma das amostras de carcinoma de assoalho de boca demonstrou resultado positivo para amplificação do DNA viral.
DISCUSSÃO: Apesar de a influência do vírus na carcinogênese oral não ter sido comprovada devido à ausência de DNA viral nas amostras, a relação não pode ser descartada, uma vez que as amostras selecionadas não se encontravam em grupo de risco para o desenvolvimento de carcinoma espinocelular de boca associado à infecção pelo HPV.
CONCLUSÃO: Não foi detectada relação entre a infecção pelo HPV e o carcinoma de assoalho de boca, no entanto mais estudos são necessários sobre o tema.

Palavras-chave: carcinoma de células escamosas; testes de DNA para HPV; reação em cadeia da polimerase; neoplasias bucais.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Studies conducted during the last years, using new technologies for viral detection, permit to consider human papillomavirus (HPV) an etiologic factor for cervical cancer. Besides the relation to genital regions, other anatomic sites have been associated with HPV, including head and neck regions.
OBJECTIVES: To investigate the prevalence of HPV infection in 35 samples from paraffin-embedded tissues using polymerase chain reaction (PCR)-deoxyribonucleic acid (DNA) amplification, and correlate it with demographic, clinical, and morphological factors and prognosis.
MATERIALS AND METHODS: All samples were first amplified with human β-globin gene primers. Samples with positive amplification were subjected to HPV-DNA detection with general GP5 and GP6 primers.
RESULTS: Only 30 samples were amplified for the β-globin gene. No floor of mouth squamous cell carcinoma cases showed amplification of HPV DNA.
DISCUSSION: The absence of HPV-DNA amplification does not suggest that this virus is absent from the process of oral carcinogenesis, since the selected sample is not in the risk group for the development of oral cancer associated with HPV infection.
CONCLUSIONS: No correlation was found between HPV infection and floor of mouth carcinogenesis, however further studies are necessary.

Palavras-chave: carcinoma de células escamosas; testes de DNA para HPV; reação em cadeia da polimerase; neoplasias bucais.

 

Triagem de câncer do colo uterino: do teste de Papanicolaou a estratégias futuras

Cristina Aparecida T. S. Mitteldorf

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2016;52(4):238-245

RESUMO

Inicialmente, a triagem para detecção do câncer de colo uterino era feita por meio de uma simples amostra cervicovaginal colhida pelo médico, sempre que o paciente comparecia à consulta médica; logo se estabeleceu como "exame de Papanicolaou" anual. Desde então, um teste elementar evoluiu para um processo complexo, com múltiplos algoritmos para identificação de doença invasiva. A detecção do papilomavírus humano (HPV) tornou-se parte das novas recomendações de triagem, resultando em grandes mudanças nas diretrizes. Esta revisão pretende enfatizar os tópicos mais importantes que fazem parte do rastreamento do câncer de colo do útero, incluindo citologia cervical e detecção do HPV, bem como discutir aspectos particulares do câncer de colo do útero no Brasil. Apesar dos grandes benefícios alcançados pelos programas de rastreamento do câncer de colo uterino por meio do uso da citologia e do teste de HPV, existem ainda pontos importantes a serem discutidos e melhorados na definição de estratégias futuras, como simplicidade e possível aplicação em diferentes contextos socioeconômicos, definição do melhor teste ou testes a serem aplicados e intervalo recomendável, minimizando possíveis danos. Após o estabelecimento de algoritmos de rastreamento bem definidos pelas principais organizações, protocolos de manejo devem ser divulgados entre médicos e pacientes por programas de educação.

Palavras-chave: neoplasias do colo do útero; prevenção de câncer de colo uterino; técnicas de diagnóstico molecular; esfregaço vaginal; testes de DNA para HPV.

 

ABSTRACT

Previously, the screening for detection of cervical cancer was performed by simple cervicovaginal sample collected by the physician whenever the patient attended the medical consultation, and soon it was established as the annual "Pap smear". Since then, an elementary test has evolved into a complex process with multiple algorithms for the identification of invasive disease. The detection of human papillomavirus (HPV) has become part of the new screening recommendations, resulting in major changes in the guidelines. This review intends to emphasize the most important topics that are part of cervical cancer screening, including cervical cytology and HPV detection, and to discuss particular aspects of cervical cancer in Brazil. Despite the great benefits achieved by the cervical cancer screening programs with cytology and HPV test, there are still important issues to be discussed and improved in defining future strategies, including simplicity and possible application in different socioeconomic contexts, definition of the best test or tests to be applied and recommended interval, minimizing possible harms. After the establishment of screening algorithms well defined by leading organizations, management protocols should be disseminated among physicians and patients by education programs.

Palavras-chave: neoplasias do colo do útero; prevenção de câncer de colo uterino; técnicas de diagnóstico molecular; esfregaço vaginal; testes de DNA para HPV.

 

Citopatologia de seguimento em mulheres com câncer de colo do útero após radioterapia: série de casos

Ruan Carlos G. Silva; Rachel Di Paola V. Figueirêdo; Amanda Cristina O. Silva; Carlos Eduardo Q. Lima; Sibele R. Oliveira; Adrya Lúcia Peres

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2018;54(2):99-104

RESUMO

A citopatologia, além de seu papel nos programas de rastreio do câncer cervical, é uma importante ferramenta para o controle da eficácia do tratamento em mulheres com câncer de colo do útero, monitorando e detectando precocemente neoplasias residuais, recorrentes ou alterações reacionais benignas. Neste trabalho, relatamos oito casos de citopatologia de seguimento em mulheres com câncer de colo do útero após tratamento radioterápico, assistidas por um centro de oncologia pernambucano. Os principais achados citológicos pós-tratamento foram descritos, assim como as características histopatológicas ao diagnóstico e os tratamentos realizados.

Palavras-chave: radioterapia; neoplasias do colo do útero; efeitos de radiação.

 

ABSTRACT

Cytopathology, in addition to its role in cervical cancer screening programs, is also an important tool for controlling the efficacy of treatment in women with cervical cancer by monitoring and early detecting residual, recurrent neoplasms or benign reactive changes. In this study, we report eight cases of cytopathologic follow-up of women with cervical cancer post-radiotherapy, assisted by a Center of Oncology in Pernambuco. The main cytological findings post-treatment were described,as well as the histopathological characteristics at diagnosis and the treatments performed.

Palavras-chave: radioterapia; neoplasias do colo do útero; efeitos de radiação.

 

Validação experimental de um método de coloração rápida e citologia digital para cancro ginecológico e anal

Paula M. Alves; Fernando Jorge N. Ferreira

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2018;54(4):253-254

RESUMO

A citologia é utilizada como método de detecção e rastreio de lesões malignas e pré-malignas e mostra seu potencial desde os trabalhos originais de Papanicolaou. Geralmente, os esfregaços citológicos são corados com a coloração de Papanicolaou, apesar desse método exigir muito tempo e vários reagentes. O objetivo deste estudo é avaliar a qualidade de uma coloração original Blue Stain em esfregaços esfoliativos comparando-a com a coloração standard de Papanicolaou. O novo método de coloração Blue Stain permite corar citologias ginecológicas com elevados padrões de qualidade a um custo e tempo reduzidos quando comparado com o método de Papanicolaou.

Palavras-chave: citodiagnóstico; esfregaço vaginal; células; biologia celular.

 

ABSTRACT

Cytology is used as detection and screening method of malignant and pre-malignant lesions showing their potential since the original works of Papanicolaou. The cytological smears are usually stained with the Pap staining, although this method is time consuming and requires different reagents. The aim of this study is to assess the quality of an original Blue staining in exfoliative smears comparing it with the standard Papanicolaou staining. The new Blue staining allows staining gynecological cytology with high quality standards at reduced cost and time when compared to the Papanicolaou method.

Palavras-chave: citodiagnóstico; esfregaço vaginal; células; biologia celular.

 

Perfil das mulheres com alterações cervicais em uma cidade do nordeste brasileiro

Thamyres Fernanda M. Pedrosa; Sérgio D. Magalhães Filho; Adrya Lúcia Peres

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2019;55(1):29-37

RESUMO

INTRODUÇÃO: No Brasil, o câncer do colo do útero é a quarta causa de morte por câncer. Atingiu 5.430 mortes no ano de 2013, com estimativa de 16.370 novos casos para 2018. Sua ocorrência tem sido associada à infecção prévia pelo papilomavírus humano (HPV) para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais, no entanto, vários fatores podem influenciar esse aparecimento, por exemplo, número de parceiros sexuais e infecções por outros microrganismos.
OBJETIVO: Verificou-se o perfil das mulheres do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil, com atipias, lesões intraepiteliais cervicais e câncer.
MATERIAL E MÉTODO: Estudo documental, analítico, retrospectivo, realizado por meio do levantamento de informações no banco de dados da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, pelo TabNet, referentes aos exames no laboratório do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil.
RESULTADOS: No período do estudo foram avaliados 18.466 exames. Das amostras avaliadas, 735 (4,31%) foram atipias escamosas e glandulares; 167 (0,98%), lesões intraepiteliais; e uma (0,005%), câncer. Cocos, Gardnerella vaginalis e lactobacilos foram os agentes mais evidentes nas alterações cervicais.
DISCUSSÃO: Estudos comprovam relação íntima dos agentes infecciosos com o desenvolvimento de lesões e cânceres cervicais. Gardnerella vaginalis foi o agente mais frequente na presença de anormalidades, sendo identificada como facilitadora da penetração do HPV.
CONCLUSÃO: Mulheres infectadas por Gardnerella vaginalis com idade acima de 30 anos representam maior exposição ao desenvolvimento de alterações. Orientações quanto à prevenção e ao rastreamento devem ser estratégias constantes nos serviços públicos. Entender esses fatores de risco é primordial, porque eles envolvem o processo de prevenção e etiologia das lesões e do câncer cervical.

Palavras-chave: fatores de risco; neoplasias do colo do útero; doenças sexualmente transmissíveis; infecções por papilomavírus.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: In Brazil, cervical cancer is the fourth leading cause of cancer death. It reached 5,430 deaths in the year 2013, with estimated 16,370 new cases by 2018. Its occurrence has been associated with previous human papillomavirus (HPV) infection for the development of intraepithelial lesions; however, several factors can influence this appearance, including number of sexual partners and infections by other microorganisms.
OBJECTIVE: The profile of women from the city of Caruaru, Pernambuco, Brazil, with atypia, cervical intraepithelial lesions and cancer, was verified.
MATERIAL AND METHOD: Documentary, analytical, retrospective study, carried out through the collection of information in the database of the State Department of Health of Pernambuco, by TabNet, referring to the tests in the laboratory of the municipality of Caruaru, Pernambuco, Brazil.
RESULTS: During the study period, 18,466 tests were evaluated. From the samples evaluated, 735 (4.31%) were squamous and glandular atypia, 167 (0.98%) intraepithelial lesions, and one (0.005%) cancer. Coccus, Gardnerella vaginalis and Lactobacilli were the most evident agents in cervical alterations.
DISCUSSION: Studies demonstrate the intimate relationship between infectious agents and the development of cervical lesions and cancers. Gardnerella vaginalis was the most frequent agent in the presence of abnormalities was identified as a facilitator of HPV penetration.
CONCLUSION: Women infected by Gardnerella vaginalis and older than 30 years of age are more exposed to the development of alterations. Guidelines on prevention and screening should be continuous strategies in public services. Understanding these risk factors is a paramount concern because they are involved in the prevention and etiology process of cervical lesions and cancer.

Palavras-chave: fatores de risco; neoplasias do colo do útero; doenças sexualmente transmissíveis; infecções por papilomavírus.

 

RESUMEN

INTRODUÇÃO: No Brasil, o câncer do colo do útero é a quarta causa de morte por câncer. Atingiu 5.430 mortes no ano de 2013, com estimativa de 16.370 novos casos para 2018. Sua ocorrência tem sido associada à infecção prévia pelo papilomavírus humano (HPV) para o desenvolvimento de lesões intraepiteliais, no entanto, vários fatores podem influenciar esse aparecimento, por exemplo, número de parceiros sexuais e infecções por outros microrganismos.
OBJETIVO: Verificou-se o perfil das mulheres do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil, com atipias, lesões intraepiteliais cervicais e câncer.
MATERIAL E MÉTODO: Estudo documental, analítico, retrospectivo, realizado por meio do levantamento de informações no banco de dados da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, pelo TabNet, referentes aos exames no laboratório do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil. Resultados: No período do estudo foram avaliados 18.466 exames. Das amostras avaliadas, 735 (4,31%) foram atipias escamosas e glandulares; 167 (0,98%), lesões intraepiteliais; e uma (0,005%), câncer. Cocos, Gardnerella vaginalis e lactobacilos foram os agentes mais evidentes nas alterações cervicais.
DISCUSSÃO: Estudos comprovam relação íntima dos agentes infecciosos com o desenvolvimento de lesões e cânceres cervicais. Gardnerella vaginalis foi o agente mais frequente na presença de anormalidades, sendo identificada como facilitadora da penetração do HPV.
CONCLUSÃO: Mulheres infectadas por Gardnerella vaginalis com idade acima de 30 anos representam maior exposição ao desenvolvimento de alterações. Orientações quanto à prevenção e ao rastreamento devem ser estratégias constantes nos serviços públicos. Entender esses fatores de risco é primordial, porque eles envolvem o processo de prevenção e etiologia das lesões e do câncer cervical.

Palavras-chave: fatores de risco; neoplasias do colo do útero; doenças sexualmente transmissíveis; infecções por papilomavírus.

Análise citomorfológica de esfregaços citológicos cervicais de mulheres com idade superior a 60 anos

Luana Backes; Lisiane Cervieri Mezzomo; Andreia Buffon; Luciane N. Calil

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2019;55(2):136-147

RESUMO

INTRODUÇÃO: A atrofia cervicovaginal é uma condição que pode afetar mulheres após a menopausa, e a citologia é a ferramenta diagnóstica útil nesses casos.
OBJETIVO: Avaliar o perfil citomorfológico de esfregaços citopatológicos cervicais de pacientes com idade superior a 60 anos.
MÉTODOS: Trata-se de estudo transversal, quantitativo e retrospectivo, no qual foram selecionados consecutivamente exames citopatológicos de 500 pacientes com idade superior a 60 anos.
RESULTADOS: Apenas 114 mulheres (22,8%) tiveram a junção escamocolunar (JEC) representada e sua presença diminuiu progressivamente com o avanço da idade (p < 0,001). Os esfregaços (95,6%), em sua maioria, foram classificados como atróficos. A análise microbiológica mostrou que dos 22 esfregaços não atróficos, a maioria teve flora lactobacilar. Entre os esfregaços atróficos, a flora predominante foi cocoide (47,2%). Somente 4% apresentou alterações citológicas: células escamosas atípicas de significado indeterminado [(ASC-US) – oito casos/40%], células escamosas atípicas, não podendo excluir lesão intraepitelial de alto grau [(ASC-H) – cinco casos/25%], lesão intraepitelial escamosa de alto grau [(HSIL) – três casos/15%], lesão intraepitelial escamosa de baixo grau [(LSIL) – dois casos/10%] e adenocarcinoma in situ [(ACI) – dois casos/10%]. Entre os esfregaços alterados, quatro (20%) continham células da JEC e quatro pacientes (20%) faziam uso de hormônios [destes, dois casos de ASC-H (10%) e dois casos ASC-US (10%)], o que demonstra a relação entre o aparecimento de lesão e o uso de hormônios (p < 0,05).
CONCLUSÃO: A ausência da JEC indica a limitação diagnóstica da coleta. Embora a frequência das lesões tenha sido semelhante à de outros trabalhos e a faixa etária recomendada para a realização do exame seja entre 25 e 60 anos, é importante ressaltar que mulheres com idade superior a essa faixa devem realizar a coleta de citologia oncológica devido ao perfil de risco para a doença.

Palavras-chave: atrofia; displasia do colo do útero; esfregaço vaginal; menopausa.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Cervicovaginal atrophy is a condition that can affect women after menopause, and cytology is a diagnostic tool useful in such cases. Objective: To evaluate the cytomorphological profile of cervical smears in patients over 60 years old.
METHODS: Cytopathological examinations of 500 patients over 60 years old were selected consecutively in this cross-sectional, quantitative, retrospective study.
RESULTS: Only 114 (22.8%) presented the squamocolumnar junction (SCJ) sampled, and their presence decreased progressively with advancing age (p < 0.001). Most smears (95.6%) were classified as atrophic. Microbiological analysis showed that from the 22 non-atrophic smears, most presented lactobacillus flora. Among the atrophic swabs, the predominant flora was cocci, with 47.2%. Only 4% presented cytological changes: atypical squamous cells of undetermined significance [(ASC-US) – eight cases/40%], atypical squamous cells – cannot exclude high-grade squamous intraepithelial lesion [(ASC-H) – five cases/25%], high-grade squamous intraepithelial lesion [(HSIL) – three/15%], low-grade squamous intraepithelial lesion [(LSIL) – two cases/10%] and adenocarcinoma in situ [(ACI) – two cases/10%]. Among the modified smears, four (20%) presented SCJ cells, and four patients (20%) took hormones (from these, two cases of ASC-H (10%) and two cases ASC-US (10%), showing a relationship between the onset of the lesion and the use of hormones (p < 0.05).
CONCLUSION: The absence of SCJ indicates a diagnostic limitation of sample collection. Although the frequency of lesions has been similar to other studies, and the recommended age range for the examination is between 25 and 60 years, it is important to note that many women older than this range should perform the collection of oncology cytology due to existence of elderly women with risk profile for the disease.

Palavras-chave: atrofia; displasia do colo do útero; esfregaço vaginal; menopausa.

 

RESUMEN

INTRODUCCIÓN: La atrofia cervicovaginal es una condición que puede afectar a las mujeres después de la menopausia, y la citología es una herramienta diagnóstica útil en esos casos.
OBJETIVO: Evaluar el perfil citomorfológico de frotis citopatológicos cervicales en pacientes mayores de 60 años.
MÉTODOS: Un estudio transversal, cuantitativo y retrospectivo, en el que se eligieron consecutivamente pruebas citopatológicas de 500 pacientes con edad superior a 60 años.
RESULTADOS: Solo 114 mujeres (22,8%) tuvieron la unión escamo-columnar (UEC) representada; su presencia ha bajado progresivamente con el adelanto de la edad (p < 0,001). Los frotis (95,6%), en su mayoría, fueron clasificados como atróficos. El análisis microbiológico mostró que de los 22 frotis no atróficos, la mayoría tuvo flora lactobacilar. Entre los frotis atróficos, la flora predominante fue cocoide (47,2%). Solamente 4% presentó alteraciones citológicas: células escamosas atípicas de importancia no determinada [(ASC-US) – ocho casos/40%]; células escamosas atípicas, no se descarta una lesión de alto grado [(ASC-H) – cinco casos/25%]; lesión intraepitelial de alto grado [(HSIL) – três casos/15%]; lesión intraepitelial escamosa de bajo grado [(LSIL) – dos casos/10%] y adenocarcinoma in situ [(ACI) – dos casos/10%]. Entre los frotis alterados, cuatro (20%) contenían células de la UEC y cuatro pacientes (20%) estaban recibiendo hormonas [entre ellos, dos casos de ASC-H (10%) y dos casos de ASC-US (10%)].
CONCLUSIÓN: La ausencia de UEC indica la limitación diagnóstica de la recolección. Aunque la frecuencia de las lesiones haya sido semejante a la de otros trabajos y la franja etaria recomendada para la realización de la prueba sea 25-60 años, es importante señalar que mujeres con edad superior a esa franja deben realizar la recolección citológica debido al perfil de riesgo para la enfermedad.

Palavras-chave: atrofia; displasia do colo do útero; esfregaço vaginal; menopausa.

FIPLIQ: uma solução alternativa para exames citológicos ginecológicos e bucais

>Michelli Aparecida B. Silva; Thiago B. D. Batista; Bruna F. Duarte; Maria Suely S. Leonart

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2019;55(5):474-487

RESUMO

INTRODUÇÃO: A citologia em meio líquido foi desenvolvida para melhorar o teste de Papanicolaou. Alguns meios líquidos são comercialmente disponíveis, no entanto, devido ao alto custo, há dificuldades para sua implementação em programas de saúde pública em muitos países.
OBJETIVOS: Estudar a adequabilidade de meios líquidos alternativos para a coleta e a preservação de amostras para exames citológicos, comparando os resultados com a metodologia convencional de Papanicolaou.
MATERIAL E MÉTODOS: Neste estudo, 127 diferentes composições de soluções alternativas de meios líquidos foram testadas com amostras de 10 voluntários para citologia oral e 20 amostras de voluntárias para citologia cervical. O fosfato de formaldeído-isopropanol (FIPLIQ) foi utilizado para preservar amostras cervicais preparadas e analisadas no mesmo dia e três, sete e 15 dias após coleta, em comparação com a citologia convencional. Avaliações de qualidade e adequação dos tipos celulares, de microrganismos ou seus efeitos citopáticos, de alterações celulares reativas, degenerativas e displásicas foram realizadas.
RESULTADOS: As amostras processadas com FIPLIQ apresentaram resultados semelhantes aos do teste convencional de Papanicolaou quando analisados coloração e apagamento de bordas citoplasmáticas, estrutura de cromatina, presença ou ausência de diferentes tipos de células e microrganismos, processo reparativo, pré-neoplásico e alterações celulares neoplásicas; as amostras foram conservadas por até 15 dias após a coleta.
CONCLUSÃO: Os resultados preliminares sugerem que o FIPLIQ é adequado para a preparação e a preservação de espécimes citológicos por até 15 dias.

Palavras-chave: biologia celular; esfregaço vaginal; mucosa bucal; neoplasia intraepitelial cervical; neoplasias epiteliais e glandulares; lesões pré-cancerosas.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Liquid-based solution for cytology has been developed to improve Pap test. Some liquid media are commercially available, however, due to the high cost there are difficulties in implementing it in the public health programs of many countries.
OBJECTIVES: To study the suitability of alternative liquid media for the collection and preservation of samples for cytologic examinations, comparing the results with the conventional Papanicolaou methodology.
MATERIAL AND METHODS: In this study, 127 different compositions of alternative liquid-based solutions were tested with samples from 10 volunteers for oral cytology and 20 samples from volunteers for cervical cytology. Formaldehyde-isopropanol-phosphate (FIPLIQ) was used to preserve cervical samples prepared and analyzed on the same day and 3, 7, and 15 days after collection, compared with Pap smear. Evaluations on quality and adequacy of cell types, microorganisms or their cytopathic effects, reactive, degenerative and dysplastic cell alterations were performed.
RESULTS: Samples processed with FIPLIQ showed results similar to those of conventional Pap smear when analyzing staining cytoplasm with indistinct cytoplasm borders, chromatin structure, presence or absence of different types of cell and microorganisms, reparative process, preneoplastic, and neoplastic cell changes; the samples were stored for up to 15 days after collection.
CONCLUSION: Preliminary results suggest that FIPLIQ is suitable for the preparation and preservation of cytology specimens for up to 15 days.

Palavras-chave: biologia celular; esfregaço vaginal; mucosa bucal; neoplasia intraepitelial cervical; neoplasias epiteliais e glandulares; lesões pré-cancerosas.

 

RESUMEN

INTRODUCCIÓN: La citología en medio líquido fue desarrollada para mejorar la prueba de Papanicolaou. Algunos medios líquidos son comercialmente disponibles; no obstante, debido al costo elevado, hay dificultades para su implementación en programas de salud pública en muchos países.
OBJETIVOS: Estudiar la adecuación de medios líquidos alternativos para recolecta y la preservación de muestras para exámenes citológicos, comparando los resultados con la metodología convencional de Papanicolaou.
MATERIAL Y MÉTODOS: En este estudio, 127 diferentes composiciones de soluciones alternativas de medios líquidos fueron testadas con muestras de 10 voluntarios para citología oral y 20 muestras de voluntarias para citología cervical. El fosfato de formaldehído- isopropanol (FIPLIQ) fue usado para preservación de muestras cervicales preparadas y analizadas en el mismo día, y tres, siete y 15 días después de la recolecta, en comparación con la citología convencional. Se hicieron evaluaciones de calidad y adecuación de los tipos celulares, microorganismos o sus efectos citopáticos, cambios celulares reactivos, degenerativos y displásicos.
RESULTADOS: Las muestras procesadas con FIPLIQ presentaron resultados similares a los de la prueba convencional de Papanicolaou cuando analizados color y bordes citoplasmáticos mal definidos, estructura de cromatina, presencia o ausencia de diferentes tipos de células y microorganismos, proceso reparativo, pre-neoplásico y alteraciones celulares neoplásicas; las muestras se conservaron hasta 15 días después de la recolección.
CONCLUSIÓN: Los resultados preliminares sugieren que el FIPLIQ es adecuado para preparación y preservación de especímenes citológicos hasta 15 días.

Palavras-chave: biologia celular; esfregaço vaginal; mucosa bucal; neoplasia intraepitelial cervical; neoplasias epiteliais e glandulares; lesões pré-cancerosas.

Indexadores