Idiomas

  • ISSN (online): 1678-4774
  • ISSN (printed): 1676-2444

Artigos do Autor

9 resultado(s) para: Eduardo Cambruzzi

Tumor epitelial-estromal misto do rim: relato de caso

Karla Lais Pêgas; Eduardo Cambruzzi; Roque D. Furian; Antônio A. Hartmann; Suzana Elisabeth Lamonatto; Júlia M. Zanatta; Kárita Guimarães; Elizete Keitel; Giovani Thomaz Pioner

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2015;51(1):39-43

RESUMO

O tumor epitelial e estromal misto (TESM) representa uma neoplasia renal bifásica descrita recentemente que afeta predominantemente mulheres na perimenopausa. Os autores relatam o caso de um paciente jovem, do sexo masculino, com TESM exibindo positividade para receptores de estrogênio e progesterona. A tomografia computadorizada/ressonância magnética (TC/RM) mostrou lesão expansiva no rim direito. Ao exame macroscópico, identificou-se tumor sólido-cístico medindo 5,7 × 3,5 × 2,4 cm. À microscopia, foi encontrado tumor bifásico constituído por elementos estromais e epiteliais, sem atipias significativas. O componente estromal era composto por células fusiformes, exibindo imunoexpressão positiva para actina, desmina, vimentina e receptores de estrogênio. Os elementos epiteliais mostraram padrão predominantemente tubular e exibiram imunorreação positiva para citoqueratinas. O diagnóstico de TESM foi então estabelecido.

Palavras-chave: rim; neoplasias; tumor misto epitelial e estromal; patologia; imuno-histoquímica.

 

ABSTRACT

Mixed epithelial and stromal tumor (MEST) represents a recently described biphasic kidney neoplasm, which predominantly affects perimenopausal females. The authors report the case of a young male patient with a MEST exhibiting positivity for estrogen and progesterone receptors. Computed tomography/magnetic resonance imaging (CT/MRI) showed an expansive lesion affecting the right kidney. Grossly, a solid-cystic tumor was identified, which measured 5.7 × 3.5 × 2.4 cm. On microscopic examination, a biphasic tumor constituted by stromal and epithelial elements, without significant atypias, was identified. The stromal element was composed of spindle cells revealing positive immunoexpression for actin, desmin, vimentin, and estrogen receptors. The epithelial component exhibited a predominantly tubular pattern showing positive immunoreaction for cytokeratins. The diagnosis of MEST was then established.

Palavras-chave: rim; neoplasias; tumor misto epitelial e estromal; patologia; imuno-histoquímica.

 

Relação entre presença de metástases hepáticas com grau histológico, profundidade de invasão e envolvimento nodal no adenocarcinoma esporádico de intestino grosso

Eduardo Cambruzzi; Larissa R. Roman; Andressa A. Noschang; Fernanda B. Pacheco; Luana R. Gassen; Luciana H. Miranda; Karla Lais Pêgas

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2015;51(4):246-251

RESUMO

INTRODUÇÃO: O adenocarcinoma de intestino grosso (AIG) é o tumor maligno mais frequente do trato digestivo e corresponde à quinta neoplasia maligna mais comum no Brasil. Os principais fatores prognósticos do AIG são profundidade de invasão neoplásica e status dos linfonodos periviscerais.
OBJETIVO: Estimar a relação entre achados anatomopatológicos e presença de metástases hepáticas (MH) em casos de AIG.
MÉTODO: Foram avaliados 51 casos de AIG, previamente submetidos à ressecção cirúrgica, e determinadas as seguintes variáveis: topografia, tamanho tumoral, conformação macroscópica, grau histológico, profundidade de invasão, status nodal e presença de MH.
RESULTADOS: A média de idade correspondeu a 64,8 anos, com predomínio de homens (n = 26/51,0%) e lesões do cólon sigmoide (n = 18/35,3%). Lesões ulcerovegetantes (n = 20/39,2%), tumores não anelares (n = 3/64,7%), neoplasias moderadamente diferenciadas (n = 44/86,3%), ausência de áreas mucoprodutoras (n = 40/78,4%) e invasão do mesocólon (n = 29/56,9%) foram as principais características gerais da amostra. MH foram encontradas em 14 casos (27,5%), estando associadas à presença de metástases nodais (p = 0,005). Tamanho tumoral (p = 0,72), configuração macroscópica (p = 0,362), grau histológico (p = 0,147) e profundidade de invasão (p = 0,195) não apresentaram associação com a presença de MH.
CONCLUSÃO: O AIG apresenta heterogeneidade anatomopatológica ampla. No presente estudo, a presença de MH associadas ao AIG esteve relacionada com o status dos linfonodos periviscerais, não havendo relação com tamanho tumoral, grau de diferenciação e profundidade de invasão, sugerindo que a identificação de invasão neoplásica angiolinfática é possível fator preditivo do envolvimento hepático.

Palavras-chave: adenocarcinoma; metástase neoplásica; neoplasias colorretais; patologia; prognóstico.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Large intestine adenocarcinoma (LIA) is the most common cancer of the gastrointestinal tract, and corresponds to the fifth most common malignancy in Brazil. The main prognostic factors related to LIA are depth of tumor invasion and perivisceral lymph nodes status.
OBJECTIVE: To estimate the relationship between pathological findings and the presence of liver metastases (LM) in LIA cases.
METHOD: We evaluated 51 cases of LIA, previously submitted to surgical resection, in order to determine the following variables: topography, tumor size, macroscopic appearance, degree of differentiation, depth of invasion, nodal status, and presence of LM.
RESULTS: The average age was 64.8 years, with predominance of men (n = 26/51.0%) and lesions in the sigmoid colon (n = 18/35.3%). The main general characteristics of the sample were ulcerative-vegetative lesions (n = 20/39.2%), no annular tumors (n = 3/64.7%), moderately differentiated tumor (n = 44/86.3%), absence of mucinous areas (n = 40/78.4%), and mesocolon invasion (n = 29/56.9%). LM were found in 14 cases (27.5%), and is associated with presence of nodal metastases (p = 0.005). Tumor size (p = 0.72), macroscopic appearance (p = 0.362), histological grade (p = 0.147), and depth of invasion (p = 0.195) showed no association with LM presence.
CONCLUSION: LIA has a wide anatomical and pathological heterogeneity. In this study, the presence of LM associated with LIA was related to perivisceral lymph nodes status, with no relation to tumor size, degree of differentiation, and depth of invasion, which suggests that identifying neoplastic angiolymphatic invasion is a possible predictor of liver involvement.

Palavras-chave: adenocarcinoma; metástase neoplásica; neoplasias colorretais; patologia; prognóstico.

 

Relação entre idade e expressão do receptor de progesterona com presença de metástases no sistema nervoso central no carcinoma ductal invasivo da mama

Eduardo Cambruzzi; Luana R. Gassen; Andrei Reginatto; Andressa Noshang; Fernanda P. Brandão; Larissa R. Roman; Luciana H. Miranda; Karla Lais Pêgas

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2015;51(5):323-328

RESUMO

INTRODUÇÃO: O carcinoma ductal invasivo de tipo histológico não especial (CDINE) caracteriza-se por grande heterogeneidade morfológica, sendo responsável por cerca de 70%-80% dos tumores malignos de mama. Os principais fatores prognósticos são o tamanho tumoral, o grau de diferenciação e o status dos linfonodos axilares. O CDINE corresponde a 15%-18% das metástases no sistema nervoso central (MSNC) e, geralmente, sua resposta aos tratamentos sistêmicos/quimioterápicos é pouco satisfatória.
OBJETIVO: Estimar a relação entre achados clínicos e anatomopatológicos do CDINE com a presença de MSNC.
MÉTODO: Foram avaliadas as informações clínicas de 171 espécimes de setorectomia/mastectomia com esvaziamento axilar por CDINE, sendo determinadas as seguintes variáveis anatomopatológicas: tamanho tumoral, grau histológico, status nodal, expressão dos receptores de estrogênio (RE) e progesterona (RP) e de oncoproteína HER-2/neu/receptor do fator de crescimento epidérmico humano (c-erb-B2) e presença de MSNC. Os casos de MSNC em CDINE foram submetidos a ressecção e comprovação do sítio primário pela técnica de imuno-histoquímica.
RESULTADOS: A prevalência de MSNC foi igual a 9,4% (n = 16) e apresentou correlação com faixa etária (p = 0,01) e expressão dos RP (p = 0,004). Embora os casos de CDINE com MSNC estivessem relacionados com maior tamanho tumoral, maior grau histológico e metástases nodais, não foi encontrada associação estatística (p = 0,221, p = 0,224 e p = 0,99, respectivamente). A expressão de RE e c-erb-B2 não foi significativa entre os dois grupos (p = 0,072 e p = 0,31, respectivamente).
CONCLUSÃO: O presente estudo mostrou que as pacientes mais jovens e a expressão dos RP relacionam-se com a presença de MSNC. A avaliação de achados anatomopatológicos específicos no CDINE pode ajudar a estabelecer fatores de risco e/ou parâmetros clínicos associados ao desenvolvimento de MSNC.

Palavras-chave: sistema nervoso central; carcinoma; mama; metástase neoplásica; patologia.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Breast invasive carcinoma of no special type (NST) is characterized by great morphological heterogeneity, and accounts for about 70%-80% of malignant breast tumors. The main prognostic factors are tumor size, degree of differentiation, and status of axillary lymph nodes. NST represents 15%-18% of central nervous system metastases (CNSm), and generally the response to systemic treatment/chemotherapy is unsatisfactory.
OBJECTIVE: To estimate the association between clinical and pathological findings of NST with CNSm.
METHOD: Clinical data of 171 specimens of lumpectomy/mastectomy with axillary dissection in NST were evaluated, as well as the following pathological variables: tumor size, histological grade, nodal status, expression of estrogen (ER) and progesterone receptors (PR) and human epidermal growth factor receptor 2 (HER-2/neu) oncogene (c-erb B2), and presence of CNSm. The cases of CNSm in NST underwent resection, and the primary site was identified by immunohistochemistry.
RESULTS: The prevalence of CNSm was 9.4% (n = 16), and was related to age (p = 0.01), and the expression of PR (p = 0.004). Although cases of NST with CNSm showed correlation with greater tumor size, higher histological grade and nodal metastases, there was no statistical association (p = 0.221, p = 0.224 and p = 0.99, respectively). Expression of ER and c-erb-B2 was not significant between the two groups (p = 0.072 and p = 0.31, respectively).
CONCLUSION: This study showed that younger patients and the expression of RP correlate with the presence of CNSm. The evaluation of specific pathological findings in NST can help establish risk factors and/or clinical parameters associated with the development of CNSm.

Palavras-chave: sistema nervoso central; carcinoma; mama; metástase neoplásica; patologia.

 

Tumor papilar agressivo do saco endolinfático: relato de caso de uma rara neoplasia

Eduardo Cambruzzi; Karla Lais Pêgas; Leandro P. Almeida; Gerson Evandro Perondi; Leandro I. Dini

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2016;52(1):31-34

RESUMO

O tumor papilar agressivo do saco endolinfático (TPASE) é uma neoplasia rara, ocasionalmente relacionada com a doença de von Hippel-Lindau, que se caracteriza pelo crescimento agressivo local com destruição do osso temporal. Os autores relatam um caso de TPASE em paciente do sexo feminino, exibindo paralisia do quinto ao oitavo par craniano. A tomografia computadorizada (TC) revelou grande processo lítico comprometendo o osso temporal direito. A paciente foi submetida a ressecção cirúrgica. À microscopia, identificou-se processo neoplásico que exibiu células cilíndricas monomórficas com atipias leves, dispostas em padrão papilar. A lesão apresentou positividade para AE1/AE3, antígeno da membrana epitelial (EMA) e vimentina; e negatividade para sinaptofisina, proteína ácida fibrilar glial (GFAP), enolase específica do neurônio (NSE), tireoglobulina, transtirretina, cromogranina, fator de transcrição da tireoide 1 (TTF-1), fator de transcrição de ação trans específico de células GATA-3 e fator de transcrição intestinal CDX-2. O diagnóstico de TPASE foi então estabelecido. Após seis anos da ressecção cirúrgica, foi identificada recorrência da lesão.

Palavras-chave: saco endolinfático; osso temporal; patologia; imuno-histoquímica; prognóstico.

 

ABSTRACT

Aggressive papillary endolymphatic sac tumor (ELST) is a rare neoplasm, occasionally related to von Hippel-Lindau disease, characterized by locally aggressive growth with temporal bone destruction. The authors report a case of ELST in a female patient exhibiting fifth through eighth cranial nerve paralysis. Computed tomography (CT) revealed a large lytic process involving the right temporal bone. The patient underwent surgical resection. At microscopy, a neoplastic process was identified exhibiting monomorphic columnar cells with mild atypias, arranged in a papillary pattern. The lesion exhibited positivity for A31/AE3, epithelial membrane antigen (EMA), and vimentin; and negativity for synaptophysin, glial fibrillary acidic protein (GFAP), neuron-specific enolase (NSE), thyroglobulin, transthyretin, chromogranin, thyroid transcription factor 1 (TTF-1), trans-acting T-cell specific transcription factor GATA-3, and intestinal transcription factor CDX-2. The diagnosis of ELST was then established. Six years after surgical resection, lesion recurrence was observed.

Palavras-chave: saco endolinfático; osso temporal; patologia; imuno-histoquímica; prognóstico.

 

O papel das mutações IDH1/2 na patogênese dos glioblastomas secundários

Eduardo Cambruzzi

J. Bras. Patol. Med. Lab. 2017;53(5):338-344

RESUMO

Astrocitoma difuso e glioblastoma (GBM) constituem um grupo de neoplasias astrocíticas infiltrantes difusas, que mais comumente surgem nos hemisférios cerebrais de adultos. A prevalência da transformação maligna de astrocitoma difuso para astrocitoma anaplásico e GBM varia de 40% a 75% dos casos em diferentes séries. Distintas anormalidades genéticas estão relacionadas com a progressão neoplásica; e as células propensas ao desenvolvimento de neoplasia glial incluem células progenitoras, células-tronco ou células diferenciadas. O GBM primário surge tipicamente de novo, sem história prévia de uma lesão precursora de baixo grau; o GBM secundário evolui a partir de um astrocitoma de baixo grau, é predominante em pacientes mais jovens e com frequência exibe mutações de isocitrato desidrogenase (IDH) 1 e 2. Os gliomas com mutação de IDH1/2 têm sido associados a melhor prognóstico quando comparados a gliomas com IDH de tipo selvagem. As mutações de IDH são raras nos GBM primários e em gliomas que surgem em crianças. Evidências sugerem que as mutações de IDH conduzem a um fenótipo de hipermetilação e representam eventos iniciais na transformação tumoral do sistema nervoso central (SNC) devido à produção do oncometabólito 2-hidroxiglutarato. As mutações de IDH1 precedem mutações de tumor protein p53 (TP53) em cerca de 63% dos casos de astrocitomas difusos e resultam em perda nos cromossomos 10q e 19q. O GBM primário também está associado a alterações na proliferação celular [amplificação/mutação de epidermal growth fator receptor (EGFR), amplificações de platelet derived growth factor receptor alpha (PDGFRA) e mutações de neurofibromin 1 (NF1)], índice apoptótico anormal [deleção homozigótica cyclin dependent kinase inhibitor 2A (CDKN2A) e mutação TP53] e progressão aberrante na fase G1/S do ciclo celular.

Palavras-chave: astrocitoma; glioblastoma; isocitrato desidrogenase; patologia; prognóstico; cérebro.

 

ABSTRACT

Diffuse astrocytoma and glioblastoma (GBM) constitute a group of diffusely infiltrating astrocytic neoplasms, which more commonly arise in cerebral hemispheres of adults. The prevalence of malignant transformation of diffuse astrocytoma to anaplastic astrocytoma and GBM varies from 40% to 75% of cases in different series. Distinct genetic abnormalities are related to neoplastic progression, and the cells prone to glial neoplasm development include progenitor cells, stem cells, or differentiated cells. Primary GBM arises typically de novo, with no previous history of a lower-grade precursor lesion. Secondary GBM evolves from low-grade astrocytoma, is predominant in younger patients, and frequently exhibits isocitrate dehydrogenase (IDH) 1 and 2 mutations. IDH1/2 mutated gliomas have been associated with a better prognosis when compared to IDH-wildtype gliomas. IDH mutations are rare in primary GBM and gliomas arising in children. Evidence suggests that IDH mutations lead to a hypermethylation phenotype and represent early events in tumoral transformation of the central nervous system (CNS) due to the production of the oncometabolite 2-hydroxyglutarate. IDH1 mutations precede tumor protein p53 (TP53) mutations in around 63% of cases of diffuse astrocytomas, and result in loss in 10q and 19q chromosomes. Primary GBMs are also associated with alterations in cell proliferation [epidermal growth fator receptor (EGFR) amplification/mutation, platelet derived growth factor receptor alpha (PDGFRA) amplifications, neurofibromin 1 (NF1) mutations], abnormal apoptotic index [cyclin dependent kinase inhibitor 2A (CDKN2A) homozygous deletion and TP53 mutation], and aberrant progression in G1/S phase of the cell cycle.

Palavras-chave: astrocitoma; glioblastoma; isocitrato desidrogenase; patologia; prognóstico; cérebro.

 

Indexadores